O cálculo para este cenário considera a fórmula já apresentada no artigo principal, porém, é necessário apresentar como o sistema encontra o tempo total de horas em operação e quantas ordens de serviço corretivas são consideradas para a realização da média.

Na representação gráfica abaixo, temos quatro ordens de serviço corretivas finalizadas para um mesmo equipamento, sendo que três delas ocorrem de forma simultânea:

Vejamos os dados de exemplo que as representam:

Ordem de Serviço

Parada inicio

Parada fim

OS 1

11/01/2022 às 08:00

20/01/2022 às 08:00

OS 2

15/01/2022 às 08:00

30/01/2022 às 08:00

OS 3

17/01/2022 às 08:00

18/01/2022 às 08:00

OS 4

02/02/2022 às 08:00

07/02/2022 às 08:00

A busca pelo tempo de operação entre falhas considera o final da parada do equipamento na OS 2, sendo 30/01/2022 às 08:00 até 02/02/2022 às 08:00, quando se inicia uma nova parada para OS corretiva.

Considerando que o calendário de operação definido no cadastro do equipamento seja de 24 horas / 7 dias, o tempo de operação entre falhas do esquema apresentado resulta em 72 horas. Ao adicionar à fórmula, (72 horas / 4 OS) é possível aferir um MTBF de 18 horas, no período de cálculo observado, que compreende a criação do equipamento até a data atual.

Encontrou a sua resposta?